A maneira do lobo

O lobo (Canis lupus) é um mamífero selvagem, pertencente à família dos canídeos, gênero Canis. Um sobrevivente da Era do Gelo, o lobo tem sua origem no período Pleistoceno Superior, há 300 mil anos. O lobo tem ampla distribuição geográfica, ocorrendo originalmente na Europa, Ásia e América do Norte. Ao longo dos séculos, o lobo foi um dos animais mais temidos pelo homem, e a caça e destruição do seu habitat o levaram a extinção em várias regiões em que antes era comum.

 

 

A Medicina do Lobo

Professor, Guia, Descobridor, Lealdade, Hierarquia, Sobrevivência, o Clã, a Família, a Alcatéia, Força, Resistência, Energia, os Sentidos, as Sombras, a Lua.

 

Não coma carne se você ama os lobos

Se você se alimenta de animais, lobos estão sendo mortos por você. A maior ameaça para os lobos são fazendeiros, que os caçam para proteger as suas terras para a pecuária.

 

Linguagem de Movimento do Lobo

Dominação: um lobo dominador mantém suas pernas firmes e assume uma postura que valoriza a sua altura. As orelhas ficam de pé e apontadas para frente. Normalmente o rabo se posiciona verticalmente e curvado em direção às costas. Essa posição afirma a posição hierárquica do lobo na alcatéia. Um lobo dominador pode olhar para um lobo submisso, subir sobre suas costas, e até mesmo usá-lo para reforçar a sua altura.

Submissão (ativa): na submissão ativa, todo o corpo desce próximo ao chão. As orelhas se curvam para trás. Muitas vezes, a submissão ativa é acompanhada por lambidas no focinho, e a língua é colocada para fora da boca. O rabo também abaixa, algumas vezes curvando-se para frente, entre as pernas do animal. O focinho se direciona para o animal dominador. Quanto mais arcado o animal, maior a sua submissão perante o dominador.

Submissão (passiva): a submissão passiva é mais intensa do que a submissão ativa. O lobo rola sobre suas costas e expõe o seu pescoço vulnerável. As patas ficam curvadas em direção ao corpo. Essa postura é normalmente acompanhada por choramingo.

Raiva: um lobo irritado tem suas orelhas eretas, e seu pelo arrepiado. Os lábios se curvam para cima e para trás, e os dentes incisivos são lançados. O lobo pode também curvar as suas costas enquanto rosna.

Medo: um lobo assustado procura assumir uma postura que diminua o seu tamanho e lhe deixe menos notado. As orelhas se curvam em direção à cabeça, e o rabo pode ser direcionado entre as pernas do animal. Pode haver também latidos de medo ou choro.

Defesa: um lobo defensivo curva as suas orelhas em direção à cabeça e flexiona as pernas traseiras, assumindo uma posição de consciência extrema.

Agressão: um lobo agressivo rosna e seus pelos se arrepiam. O animal se agacha, preparado para atacar a qualquer momento se necessário.

Desconfiança: as orelhas curvadas para trás indicam que o lobo está desconfiado. Os seus olhos também ficam mais estreitos, e o seu rabo é apontado verticalmente, paralelo ao chão.

Relaxamento: um lobo relaxado tem o seu rabo apontado para baixo, e ele pode assumir uma postura como uma esfinge ou deitado sobre um dos lados do seu corpo. O lobo pode também abanar o seu rabo. Quanto mais baixo o rabo desce, mais relaxado está o animal.

Tensão: um lobo tenso tem o seu rabo apontado verticalmente, e o animal se agacha, descendo com a sua parte traseira próxima ao chão.

Alegria: assim como os cachorros, o lobo balança o seu rabo quando está se sentindo feliz. A língua pode ser relaxadamente colocada para fora da boca.

Caçada: um lobo que está caçando permanece tenso. Sendo assim, tem o seu rabo apontado verticalmente.

 

O Lobo do Brasil

O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) é o maior canídeo nativo da América do Sul. A sua distribuição geográfica estende-se pelo sul do Brasil, Paraguai, Peru e Bolívia a leste dos Andes, estando já extinto no Uruguai e na Argentina, e considerado uma espécie ameaçada nos demais países. O Brasil abriga o maior número de animais; dos cerca de 25 mil indivíduos da espécie, cerca de 22 mil estão em território brasileiro. Os biomas de sua ocorrência no Brasil são: Cerrado, Pantanal, Campos do Sul, parte da Caatinga e Mata Atlântica.

Ao contrário dos lobos do hemisfério norte, esta espécie não forma alcatéias e tem hábitos solitários, juntando-se apenas em casais durante a época de reprodução.

Estes animais são bastante dependentes da lobeira (Solanum lycocarpum) e estabelecem com esta planta uma relação simbiótica: sem os frutos da lobeira, o lobo-guará morre de complicações renais causadas por nemátodos. Em contrapartida, o lobo tem um papel fundamental na dispersão das sementes desta planta.

 

A Pegada do Lobo

 

logo final

© 2010 ATWA Brasil

Anúncios

~ por ATWA Brasil em 12/01/2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: