Violência em ATWA

No dia 18 de abril, alguns criminosos com apoio da prefeitura e outros homens de paletó sediaram o evento de puxada de cavalos em Pomerode, Santa Catarina. O show foi organizado pelo Clube do Cavalo, e aconteceu próximo ao Clube de Caça e Tiro Germano Tiedt. Alguns manifestantes compraram a briga pelos animais, uns ficaram feridos, e se houve algo de positivo em tudo isso foi que o evento em si passou a ser conhecido por um número maior de pessoas, entre as quais algumas certamente terão algum senso se justiça.

É importante ter deixado a poeira baixar. Muita gente tomou partido de um lado ou outro pelo calor do momento, e como tudo que envolve a cabeça dos humanos, as coisas vêm e vão, as lições não são aprendidas e os erros se repetem no futuro. Que tenha ficado claro que uma guerra pela vida não é vencida com cartazes e câmeras. Propaganda e convencimento são as armas do inimigo, e aceitar essas armas como legítimas é cair nas teias dos covardes.

O ser humano é violento por natureza. O que coloca um limite nessa violência é a violência que o outro aparenta ser capaz de infligir contra você. Não são necessários exemplos complicados para entender isso: o medo das conseqüências é o que organiza a nossa sociedade. As pessoas não deixam de matar porque respeitam a vida, mas sim porque temem as conseqüências da punição. Isso explica o porquê de os assassinatos diários de todos os tipos de animais, para alimentação humana ou outros fins, permanecerem constantes e impunes. Não existe uma ordem que puna os criminosos, e por isso os crimes continuam. Trata-se de um exemplo claro da violência humana, aceita como natural pela maioria mesmo que inconscientemente.

Pessoas passivamente pacifistas costumam dizer que “violência gera violência”. Não é o caso. Violência ineficaz gera mais violência ineficaz. Se a sua violência agride o inimigo, e não o elimina, então você o enche de coragem e motivação para agredi-lo de volta com maior ênfase. Você bate, e toma, e bate, e toma de novo. Tudo o que isso faz é distanciar ambos os lados da raiz do problema, do motivo de tudo ter começado. Mas violência bem dirigida pode resolver muitas coisas, acordar muitas pessoas, e acender a chama da ordem. Esse deve ser o caso quando se trata de uma questão de justiça contra injustiça. Não deve haver nenhuma barreira para a determinação da justiça – todos os meios são legítimos.

O sábio mártir Charles Manson diz: “Crime é qualquer coisa que é feita contra a sua sobrevivência. Qualquer pecado que seja cometido contra a sua vida é um crime. A lei é a vontade de Deus. A lei deve ser respeitada e considerada como a vontade de Deus, e não como alguma brincadeirinha a ser usada para fins burocráticos e mentirosos. O problema é: o nosso ar está morrendo. Tudo que é um pecado contra o ar é um pecado contra a sua vida.”

Portanto, um crime contra tudo o que permite a vida é um crime direto contra a sua sobrevivência, e uma afronta à vontade de Deus, que é a harmonia da vida. A violência, nesse caso, pode ser a ferramenta para a aplicação da vontade de Deus, a arma contra a injustiça, o maior golpe contra a barbárie:

“O Senhor é homem de guerra; o Senhor é o seu nome.” (Êxodo 15:3)

“Maldito aquele que fizer a obra do Senhor fraudulosamente; e maldito aquele que retém a sua espada do sangue.” (Jeremias 48:10)

“Porém, das cidades destas nações, que o Senhor teu Deus te dá em herança, nenhuma coisa que tem fôlego deixarás com vida. Antes destrui-las-ás totalmente, […] como te ordenou o Senhor teu Deus.” (Deuteronômio 20:16-17)

As passagens acima ilustram esse pensamento. Está do lado do crime aquele que deixar de lutar pelo que é justo e correto, aquele que permitir que os crimes dos homens ofusquem a vontade de Deus. E a missão é simples: destrua-os totalmente, como ordenado por Deus. Isso é uma indicação da violência eficaz – não dê golpes para permitir que o inimigo lhe golpeie. Nunca. Mantenha-se do lado da verdade, da justiça e da harmonia, e faça o que o seu coração mandar para estabelecer a ordem da vida.

Em outras palavras, se o seu amor pela vida dos pobres animais abusados de Pomerode é real e infinito; se o seu sentimento de justiça e de combate ao crime prevalece; se você encara o seu martírio como justificado pela causa da sua missão; então você deve levar a guerra ao inimigo, e cortar o mau pela raiz. Não jogue pedras hoje, porque amanhã o inimigo jogará pedras maiores sobre você. Faça o que tiver que ser feito, e não dê chance do inimigo existir amanhã. Nesse caso, o crime do inimigo é uma trivialidade de poucos. Até onde o inimigo seria capaz de ir para manter essa trivialidade viva? A história indica que ele lutará pouco. Então vá e faça a vontade de Deus, e saiba que os corações que andam na verdade estão contigo.

O sábio mártir Charles Manson diz: “Triste como poderia parecer para alguns, o medo é a grande necessidade. As pessoas têm crescido maiores do que Deus porque elas simplesmente não temem.”

E Manson disse: “Você poderia tentar contar às pessoas. Eu acho que levaria um terço das pessoas serem crucificadas e abandonadas para que os outros dois terços vissem e aprendessem. Isso, é claro, se você amasse tanto assim as pessoas para aceitar um trabalho desse tamanho.”

Portanto, pelas palavras dos sábios está claro que o medo estabelece as regras. Se a sua violência pelo que é correto é maior do que a violência do inimigo pelo que é trivial, então você irá prevalecer. Faça da guerra a sua guerra!

© 2010 ATWA Brasil

Anúncios

~ por ATWA Brasil em 11/05/2010.

Uma resposta to “Violência em ATWA”

  1. Muito bom, adorei ler isso. Viva Gaea!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: